quarta-feira, 5 de maio de 2010

Serviço de Saúde

Ontem vi o programa Serviço de Saúde na RTP1, o tema era a Falta de Oncologistas em Portugal. Comecei a ficar um pouco nervosa e inquieta por compreender todas as situações ali faladas, um dos médicos oncologistas presente é o médico da minha mãe. Todos os assuntos referidos são me muito próximos e fiquei incomodada porque era como se estivessem a falar directamente comigo ou com a minha mãe ou com toda a minha família.

A falta de médicos, a importância da consulta multi-disciplinar (que a minha mãe teve logo 2), o grande esforço de todo o pessoal médico, técnico e auxiliar que contra todas as faltas de meios e contra o lento sistema lutam para aliviar a dor de todos os doentes oncológicos, a dificuldade dos familiares em conseguirem estar presentes faltando ao trabalho por vezes sem compreensão por parte da entidade patronal.... Tudo assuntos directos. Como foi dito, o cancro não afecta apenas o doente mas toda a família e amigos.

Ao assistir ao programa pensei, realmente é bem diferente quando bate á nossa porta.
Depois comecei a ficar aliviada, apesar das notas em rodapé que iam informando o número de casos a aumentar e a taxa de mortalidade. Concentrei-me novamente na única situação em que temos de pensar neste momento: O Cancro não é uma fatalidade, não é uma sentença de morte e hoje mais do que nunca pode ser vencido.

3 comentários:

  1. Olha eu vi um na TVI sobre médicos em geral. Sobre o número exagerado de doentes que têm e falta de tempo para acompanhar o paciente como deviam e como desejavam. Disseram até que a pressão era tanta que havia médicos que se suicidavam :O

    Que corra tudo bem com a tua mãe.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar